10 efeitos nocivos do estresse na mente e no corpo

Muitas vezes, o estresse recebe uma má reputação e geralmente é visto como algo a ser evitado. Na verdade, uma quantidade adequada e equilibrada de estresse pode beneficiar o desempenho de uma pessoa, aumentando a motivação, o foco e a atenção.

No entanto, se não for supervisionado, o estresse também pode se tornar insuportável, resultando em contraprodutividade e até mesmo em efeitos prejudiciais à saúde física e mental geral.

A boa notícia é que existem várias maneiras práticas e simples de identificar e lidar com os sintomas de estresse, o que pode ajudar a aliviar os fardos da vida diária e facilitar uma vida mais feliz, saudável e plena.

Vamos dar uma olhada em como o estresse funciona, os efeitos prejudiciais do estresse que podem interferir em sua saúde física e mental e as formas de combatê-los.

1. Ansiedade

O termo “estresse” é frequentemente usado como sinônimo de “ansiedade”. No entanto, o estresse é mais um sentimento e a ansiedade é mais um estado de espírito que envolve o medo ou a antecipação de uma ameaça. (1)

A excitação ansiosa ativa a resposta de luta ou fuga, que por sua vez ativa os hormônios do estresse.

Baixos níveis de estresse são uma reação saudável a eventos ameaçadores ou exigentes e podem realmente motivar uma pessoa a uma ação produtiva.

Se, entretanto, os hormônios do estresse não são usados ​​de forma produtiva na defesa do corpo, eles se voltam para dentro. A energia não utilizada presa no corpo pode levar a uma ansiedade paralisante, que pode interferir na vida diária e nos relacionamentos interpessoais.

LEIA TAMBÉM: Efeitos físicos da ansiedade e opções de tratamento

2. Irritabilidade / raiva

Estresse e irritabilidade tendem a andar de mãos dadas. Quanto mais opressor se torna o estresse, menos provável que a parte racional do cérebro se sobreponha à parte emocional do cérebro, criando assim uma sensação de estar “fora de controle” das próprias reações emocionais.

Os hormônios do estresse, particularmente a adrenalina, são comumente conhecidos por fornecerem uma força e resistência incríveis quando confrontados com uma ameaça.

Consulte Mais informação  Por que soluços são mais graves do que você pensa

Se o cérebro racional não é mais capaz de distinguir entre sofrimento real e imaginário, mesmo as interações benignas podem ser vistas como ameaçadoras. Isso pode desencadear reações emocionais cheias de adrenalina “incontroláveis”, como extrema irritabilidade ou raiva descontrolada.

Essas explosões emocionais são provavelmente seguidas de problemas em outras áreas importantes, como relações sociais e funcionamento ocupacional.

3. Depressão / Imobilidade

O estresse, principalmente quando é de longo prazo, pode monopolizar a atenção, não deixando tempo para olhar em volta e aproveitar o ambiente.

Além disso, a ruminação – o foco persistente e repetitivo em um evento ou circunstância – freqüentemente ocorre, o que “aprisiona” os pensamentos de uma pessoa na angústia atual ou circunstâncias infelizes.

A depressão e a imobilização tendem a ser o resultado, junto com a disfunção subsequente, como diminuição da qualidade do trabalho, esgotamento, afastamento da família e amigos, diminuição do desejo sexual e desligamento.

LEIA TAMBÉM:

  • Que fatores colocam você mais em risco de depressão?
  • Opções e diretrizes de tratamento da depressão
  • Depressão: remédios caseiros e mudanças no estilo de vida

4. Memória

O estresse geralmente ocupa uma quantidade notável de espaço no cérebro, deixando pouco espaço (e energia) para armazenamento extra. Isso pode se manifestar de leve distração a lapsos de memória mais significativos.

Novamente, isso está relacionado ao nível de hormônios do estresse no corpo. Níveis moderados de estresse podem melhorar a memória. No entanto, altos níveis de estresse prejudicam a memória.

A pesquisa sugere que o estresse severo por um longo tempo pode aumentar o risco de demência e doença de Alzheimer. (2)

5. Problemas cardiovasculares

O estresse afeta diretamente o coração. Os hormônios do estresse, especialmente o cortisol, aumentam os níveis de açúcar no sangue, colesterol e um tipo especial de gordura que aumenta o risco de doenças cardíacas.

Além disso, as doenças cardíacas preexistentes são especialmente exacerbadas pelo estresse, que pode levar à hipertensão e, em alguns casos, a ataques cardíacos.

Portanto, o controle do estresse é um componente extremamente importante para manter um coração saudável.

6. Imunodeficiência

O sistema imunológico se dedica à defesa do corpo contra doenças. Quando sob estresse, as células responsáveis ​​pela manutenção do sistema imunológico são reduzidas, o que aumenta a vulnerabilidade a doenças.

Além disso, os hormônios do estresse são liberados para proteger o corpo. Eles ativam imediatamente os recursos musculares e emocionais do corpo para resolver o evento angustiante e retornar o corpo ao equilíbrio rapidamente.

Consulte Mais informação  Dor no sacro: causas, sintomas e dicas de tratamento

Quando níveis extremos de estresse não são resolvidos ou mantidos por algum tempo, os hormônios do estresse continuam enviando mensagens ao corpo para se defender. Esse aumento prolongado na excitação afeta os órgãos internos e acaba sendo expresso como uma doença física.

7. Tensão muscular

Como mencionado anteriormente, o estresse severo enviará sinais ao corpo de que algo está errado.

Os hormônios do estresse são liberados e se comunicam com os músculos, dizendo-lhes para ficarem tensos em preparação para lutar contra o estressor.

Quando o corpo não responde ao impulso de ativação, a energia é armazenada nos músculos, causando dores e sofrimentos.

8. Dores de cabeça

As dores de cabeça são uma queixa comum de estresse. Embora o motivo real de sua conexão ainda esteja em debate, faz sentido que o aumento do fluxo sanguíneo para o cérebro possa desencadear as mesmas alterações que causam a enxaqueca.

Além disso, semelhante à tensão muscular, um acúmulo de estresse e energia de estresse não resolvido pode desencadear uma dor de cabeça.

Até que você seja capaz de lidar com o agente que o preocupa de maneira adequada, os hormônios do estresse continuarão a alimentar as dores de cabeça e outras doenças físicas e mentais.

LEIA TAMBÉM:

  • Dor de cabeça: tipos, tratamento, dicas de autocuidado e remédios caseiros
  • O que causa dores de cabeça por tensão e como tratá-las

9. Ganho de peso

O ganho de peso geralmente acompanha o estresse de longo prazo. A comida às vezes é usada como fonte de conforto, o que pode ter efeitos psicológicos gratificantes para alguns indivíduos.

O hormônio do estresse, cortisol, é armazenado principalmente no abdômen. Quando o estresse é de curto prazo, o cortisol tem maior probabilidade de causar problemas estomacais, como diarreia e vômitos .

No entanto, no caso de estresse de longo prazo, o cortisol se acumula e se acumula no abdômen, causando ganho de peso. (3)

Uma dieta saudável, junto com atividades físicas programadas regularmente, pode aliviar o estresse e combater esse risco adicional à saúde.

10. Insônia

A insônia é definida como a incapacidade de obter um sono satisfatório, o que causa distúrbios no funcionamento diário. O estresse severo pode contribuir e resultar da insônia.

Consulte Mais informação  10 razões pelas quais seu estômago dói depois de comer e como tratá-lo

As características típicas do estresse, como pensamentos acelerados, hiperexcitação e ruminações, podem impedir um sono reparador e, portanto, causar um sono insatisfatório.

A falta de sono satisfatório pode levar a um aumento da angústia durante o dia e interferir nas atividades diárias.

O sono é extremamente importante no funcionamento diário, pois o corpo depende de um sono repousante e adequado para restaurar as células vitais e os nutrientes do corpo. Quando o corpo não tem essa oportunidade de restauração, ele pode sofrer tremendamente e exacerbar outras doenças preexistentes.

Dicas para gerenciar o estresse

Existem várias maneiras de lidar com o estresse e seus efeitos nocivos. Seja qual for a estratégia, no entanto, ela deve ser adaptada para atender às necessidades de cada indivíduo. Aqui estão alguns métodos eficazes de alívio do estresse:

1. Experimente a expressão emocional

Expressar sentimentos, seja por meio de um diário ou compartilhando experiências para apoiar os outros, é o método mais útil para aliviar o estresse.

2. Envolva-se em técnicas de atenção plena

Tornar-se mais consciente de si mesmo é a chave para adquirir um senso de controle e gerenciar as respostas ao estresse.

A plena atenção auxilia na inibição de sua resposta natural ao estresse, permitindo que você seja um observador objetivo de seus pensamentos, sentimentos e emoções, dando-lhe espaço e tempo para organizar e moderar sua resposta a um evento estressante.

3. Consulte um especialista

Nos casos em que os níveis de estresse parecem extremos demais para controlar, é recomendável consultar um médico e solicitar uma avaliação de estresse.

Após a avaliação, uma recomendação de tratamento pode ser feita ou um encaminhamento a um psicoterapeuta pode ser ideal para aprender técnicas adequadas de controle do estresse.

Seja qual for o caso, ninguém precisa sofrer sozinho. Existe uma comunidade de médicos e terapeutas capazes e dispostos a ajudá-lo em suas necessidades individuais.

LEIA TAMBÉM: Como lidar com situações estressantes

Palavra final

O estresse pode agravar uma série de condições no corpo, incluindo dor de cabeça, eczema e insônia, entre outros.
Portanto, embora não seja possível evitar o estresse, é essencial controlá-lo ou minimizá-lo.

Identificar os fatores desencadeantes e praticar técnicas de gerenciamento de estresse pode ajudar a prevenir quaisquer complicações relacionadas ao estresse.

  • Leave Comments