Transtorno de Personalidade Paranoide (TPP)

Conhece alguém que é extremamente desconfiado e desconfiado dos outros, cuja paranóia distorce sua visão do mundo? Veja como reconhecer o PPD e ajudar seu ente querido a receber tratamento.

O que é transtorno de personalidade paranoide (TPP)?

O transtorno de personalidade paranoide (TPP) é uma condição de saúde mental desafiadora definida por desconfiança e suspeita tão intensa que interfere nos padrões de pensamento, comportamento e funcionamento diário. Uma pessoa com DPP pode sentir-se profundamente cautelosa com os outros, sempre atenta a sinais de que alguém está tentando ameaçá-la, maltratá-la ou enganá-la. Não importa quão infundadas sejam suas crenças, eles podem questionar repetidamente a fidelidade, honestidade ou confiabilidade dos outros. Quando percebem que estão sendo perseguidos, rejeitados ou menosprezados, é provável que respondam com explosões de raiva, comportamento controlador ou desviando a culpa para os outros.

As percepções de medo e desconfiança que acompanham a DPP podem dificultar muito a formação e a manutenção de relacionamentos íntimos, afetando a capacidade da pessoa de funcionar em casa, no trabalho e na escola. Se você tem um ente querido com transtorno de personalidade paranoica, pode se sentir frustrado por sua visão distorcida do mundo, exausto por suas acusações contínuas ou derrotado por sua hostilidade e teimosia. Pode parecer que eles são capazes de encontrar e exagerar os aspectos negativos de qualquer situação ou conversa.

O tratamento profissional pode ajudar alguém com transtorno de personalidade paranoide a gerenciar os sintomas e melhorar seu funcionamento diário. Mas devido à própria natureza do distúrbio, a maioria das pessoas com DPP não procura ajuda. No que diz respeito a eles, seus medos são justificados e qualquer tentativa de mudar a forma como eles pensam apenas confirma suas suspeitas de que as pessoas estão “fora para pegá-los” de alguma forma.

Apesar dos graves desafios de lidar com alguém com PPD, você não é totalmente impotente. Existem medidas que você pode tomar para incentivar seu ente querido a procurar ajuda, apoiar seu tratamento e estabelecer limites firmes para preservar sua própria saúde mental e bem-estar.

Sinais e sintomas de transtorno de personalidade paranoica

A PPD geralmente aparece pela primeira vez no início da idade adulta e é mais comum em homens do que em mulheres. Pesquisas sugerem que pode ser mais prevalente em pessoas com histórico familiar de esquizofrenia . Alguém com transtorno de personalidade paranoica não vê seu comportamento suspeito como incomum ou injustificado. Em vez disso, eles veem isso como uma defesa contra as más intenções e atividades enganosas e não confiáveis ​​daqueles ao seu redor.

Os sintomas comuns de PPD incluem:

  1. Suspeitando, sem justificativa, que outros estão tentando explorá-los, prejudicá-los ou enganá-los.
  2. Obcecado com a falta de lealdade ou confiabilidade da família, amigos e conhecidos.
  3. Recusar-se a confiar nas pessoas por medo de que qualquer informação que divulguem seja usada contra elas, muitas vezes levando-as a se isolarem das outras.
  4. Interpretar significados ocultos e maliciosos em gestos, eventos ou conversas inocentes.
  5. Ser excessivamente sensível a insultos, críticas ou desprezos percebidos, rapidamente se precipitando para o julgamento e guardando rancor.
  6. Responder a ataques imaginados em seu caráter com raiva, hostilidade ou comportamento controlador.
  7. Suspeitando repetidamente, sem base, seu parceiro romântico ou cônjuge de infidelidade.
Consulte Mais informação  Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) para Saúde Mental

Apesar de ser um dos transtornos de personalidade mais comuns , o transtorno de personalidade paranoide pode ser difícil de detectar até que os sintomas progridam de leves a mais graves. Afinal, a maioria de nós se comportou de maneira desconfiada, suspeita ou hostil em algum momento de nossas vidas sem garantir um diagnóstico de DPP.

Detectar os sinais do transtorno de personalidade paranoide pode ser ainda mais complicado, pois muitas vezes ocorre concomitantemente com outro problema de saúde mental, como um transtorno de ansiedade (geralmente ansiedade social ), transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), abuso de substâncias ou depressão .

Diagnosticando PPD

Para confirmar um diagnóstico de transtorno de personalidade paranoide, um profissional de saúde mental procurará a presença de pelo menos quatro dos sintomas acima. Eles também vão querer descartar a paranóia decorrente de um episódio psicótico ligado a outra condição, como transtorno bipolar , esquizofrenia ou depressão com psicose.

Se você reconhecer os sintomas do transtorno de personalidade paranoica em alguém de quem gosta, é importante lembrar que você não pode consertá-los ou forçá-los a fazer tratamento. Você pode, no entanto, incentivá-los a procurar ajuda profissional e apoiá-los durante a recuperação.

Tratamento para DPP

O tratamento para o transtorno de personalidade paranoide concentra-se principalmente na psicoterapia. Um terapeuta pode ajudar seu ente querido a desenvolver habilidades para construir empatia e confiança, melhorar a comunicação e os relacionamentos e lidar melhor com os sintomas da DPP. Como a presença de outras pessoas pode alimentar pensamentos paranóicos e comportamentos ansiosos, é mais provável que seu ente querido se beneficie da terapia individual em vez de em grupo.

  • A terapia cognitivo-comportamental (TCC) pode ajudar alguém com transtorno de personalidade paranoide a reconhecer suas crenças destrutivas e padrões de pensamento.
  • Ao mudar a forma como essas crenças influenciam seu comportamento, a TCC pode ajudar a reduzir a paranóia e melhorar a forma como seu ente querido interage com os outros.
  • A TCC também pode ajudá-los a aprender maneiras melhores de lidar com suas emoções, além de atacar os outros.

Obstáculos ao tratamento

O primeiro grande desafio é a pessoa com transtorno de personalidade paranoide reconhecer que há algo desordenado em seu pensamento e aceitar de bom grado a necessidade de tratamento. Tentar forçar alguém com DPP a procurar ajuda muitas vezes sai pela culatra, aumentando sua resistência e alimentando sua paranóia de que as pessoas estão conspirando contra eles.

Outro obstáculo ao tratamento é superar a suspeita da pessoa com DPP e a desconfiança daqueles que tentam ajudá-la, incluindo o terapeuta. Como em todos os relacionamentos, a confiança é um componente importante de uma conexão eficaz entre terapeuta e cliente. Se o seu ente querido suspeita dos motivos do terapeuta, está preocupado em revelar detalhes pessoais ou se sente desconfortável em confiar neles, é muito improvável que a terapia seja bem-sucedida.

Encontrar o terapeuta certo para qualquer condição de saúde mental muitas vezes pode levar tempo e esforço – e isso é particularmente verdadeiro para o transtorno de personalidade paranoica. A pessoa com DPP precisa sentir que está trabalhando em colaboração com um terapeuta, em vez de ter o tratamento imposto a ela. Pode levar várias tentativas para encontrar um terapeuta que se encaixe bem e pode exigir um programa de tratamento de longo prazo para gerenciar continuamente os sintomas da DPP.

Consulte Mais informação  Prevenindo a doença de Alzheimer e a demência – ou retardando seu progresso

Medicamento

Não há medicação especificamente projetada para tratar o transtorno de personalidade paranoica, embora medicamentos antipsicóticos possam ser usados ​​para tratar sintomas graves de paranóia. Outros medicamentos também podem ser prescritos para ajudar a controlar condições relacionadas, como ansiedade ou depressão .

Embora estes possam ser benéficos em combinação com a terapia, muitas pessoas com DPP suspeitam de tomar medicamentos, especialmente se os benefícios não forem imediatamente aparentes.

Como o PPD afeta os relacionamentos

Se você tem um relacionamento com alguém com transtorno de personalidade paranoica, já sabe o quão estressante e emocionalmente turbulento pode ser. Esteja você lidando com um cônjuge, parceiro ou membro da família, a suspeita, apontar o dedo e torcer suas palavras para significar outra coisa pode custar muito caro. Os insultos verbais, a falta de sensibilidade aos seus sentimentos e a crença teimosa de que eles estão sempre certos podem fazer você se sentir como se estivesse pisando em ovos ao redor deles. E o ciúme e o comportamento controlador deles podem dificultar a manutenção de outros relacionamentos e laços sociais, deixando você se sentindo isolado e sozinho.

Você provavelmente sente que a pessoa com DPP nunca o vê por quem você realmente é. Eles são tão cautelosos com seus sentimentos e paranóicos em revelar qualquer coisa pessoal sobre si mesmos que pode ser difícil se sentir próximo.

Em relacionamentos saudáveis , a confiança tende a se aprofundar com o tempo, à medida que duas pessoas se conhecem melhor. Mas em um relacionamento com alguém com transtorno de personalidade paranoica, o oposto geralmente ocorre. Quanto mais tempo você está no relacionamento, menos a pessoa com DPP confia em você e mais desconfiada de você ela se torna.

Embora seja fácil ficar sobrecarregado ou perder a esperança, é possível estabilizar seu relacionamento incentivando seu ente querido a fazer tratamento e tomando medidas para estabelecer limites saudáveis.

Lidando com a paranóia de um ente querido

Por mais doloroso e confuso que uma pessoa com o comportamento de PPD possa ser, tente lembrar que as crenças paranóicas e o pensamento desordenado de seu ente querido derivam do medo. Mesmo que suas crenças possam ser totalmente infundadas, o medo, a ansiedade e a angústia que estão sentindo são muito reais.

Reconheça sua dor . Embora você não precise concordar com as crenças infundadas de seu ente querido, você pode reconhecer e oferecer conforto para os sentimentos que estão alimentando essas crenças. Reconhecer sua dor pode ajudá-los a se sentirem mais seguros e difundir sua raiva e hostilidade.

Não discuta sobre suas crenças equivocadas nem as rejeite instantaneamente. Uma pessoa com TPP interpreta mal os eventos como ameaçadores e tentar argumentar racionalmente com eles apenas reforçará sua crença de que você está tentando enganá-los. Em vez disso, respeite suas crenças, mas concentre-se nos medos por trás de suas reivindicações. Falar abertamente sobre o que está sentindo, sem validar seu pensamento paranoico, pode ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade.

Consulte Mais informação  Ajudando alguém com transtorno de acumulação

Defina limites . Não importa quanta dor seu ente querido esteja sentindo, isso não faz com que ele desconte em você. Definir limites claros pode ajudar a pessoa com DPP a ver os efeitos prejudiciais de seu comportamento, o que, por sua vez, pode incentivá-la a procurar tratamento. Por exemplo, você pode deixar claro que, se eles acusarem você de trapacear ou impedirem você de ver amigos, você sairá até que eles comecem o tratamento. Deixe as regras e as consequências claras — mas apenas se você estiver preparado para segui-las.

Simplifique como você se comunica . Tente usar uma linguagem clara e inequívoca para reduzir a chance de seu ente querido interpretar mal o que você está dizendo. Se o seu ente querido começar a distorcer suas palavras, tente oferecer esclarecimentos sem ficar na defensiva.

Incentive o exercício . A atividade física regular libera endorfinas que podem aliviar a tensão, melhorar o humor do seu ente querido e ajudar a controlar os sintomas de estresse, ansiedade e depressão. Adicionar um elemento de atenção plena – realmente focando em como o corpo se sente durante o exercício – também pode ajudar seu ente querido a interromper o fluxo de pensamentos negativos que passam pela cabeça.

Promova o relaxamento . Pessoas com transtorno de personalidade paranoica geralmente têm dificuldade em relaxar. Você pode ajudar incentivando uma prática regular de relaxamento , como ioga ou meditação.

Cuide-se

Estar em um relacionamento com alguém que tem transtorno de personalidade paranoica requer compaixão, paciência e muita compreensão. Mas se você não for cuidadoso, também pode ser incrivelmente desgastante e tomar conta de sua vida. O pessimismo de seu ente querido pode fazer o mundo parecer um lugar sombrio e negativo, por isso é vital que você tome medidas para melhorar seu próprio humor e autoestima.

Manter outros relacionamentos . O transtorno de personalidade paranoica de seu ente querido e o comportamento controlador associado podem ter feito com que você se isole da família e dos amigos. Mas é importante estabelecer limites para manter sua vida social. Você precisa de contato regular com a família e amigos para apoio, relaxamento e diversão. Se você abandonou antigas conexões sociais, nunca é tarde demais para fazer novos amigos .

Tire um tempo para relaxar e descontrair . Quando você está lidando com alguém com transtorno de personalidade paranoica, pode parecer que você está no olho de uma tempestade. É importante recuperar o equilíbrio e a perspectiva adotando uma prática diária de relaxamento, como ioga, respiração profunda ou meditação. Um bom lugar para começar é a meditação guiada Olho da Tempestade do HelpGuide .

Exercício . A atividade física pode ser tão importante para diminuir seus níveis de estresse e ansiedade quanto para seu ente querido com DPP. Você pode até se exercitar ou fazer uma aula de ioga juntos, ajudando a motivar e encorajar um ao outro.

Coma bem e durma o suficiente . É fácil negligenciar sua dieta e economizar no sono quando você está lidando com o problema de saúde mental de um ente querido. Mas quando você come bem e dorme bastante , é mais capaz de lidar com o estresse, permanecer paciente e controlar sua própria resposta emocional.

  • Leave Comments